Falando de... diários

Seja num caderno antigo, folhas soltas ou em um diário propriamente dito, registrar os acontecimentos da vida no papel é um hábito antigo. Para alguns, há a necessidade de relatar o dia-a-dia; para outros, os diários são quase um confessionário, espaço para contar segredos ou histórias que não se quer compartilhar com outras pessoas. Muitos autores já recorreram ao recurso do diário para contar a história de um personagem e são muitos também os relatos reais que foram transformados em livros. Vamos conhecer/relembrar alguns?


O diário da princesa - Mia Thermopolis é uma jovem nova-iorquinha de 14 anos nada popular. Sua vida social se resume a suas poucas amigas de escola e ir dormir na casa de sua amiga, Lilly. Até que um dia sua vida muda. Ela descobre  que seu pai, que ela pensava ser apenas um político, é na realidade um príncipe de um pequenino país de cerca de 50.000 habitantes chamado Genovia. E ela é a herdeira do trono, já que sei pai não pode ter mais filhos, o que para ela, bem, não parece ser uma novidade muito animadora. Ou melhor, ela não gostou! E agora terá que lidar com isso.

O diário de Bridget Jones - O romance relata um ano na vida de Bridget Jones, uma mulher solteira, de trinta e poucos anos, que luta com todas as forças para emagrecer, encontrar um namorado, parar de beber e largar o cigarro. Uma história aparentemente comum, mas narrada em estilo impecável e extrema sensibilidade. Numa demonstração de acuidade, a autora tira do cotidiano de uma balzaquiana a matéria-prima para um livro memorável.


Os diários de Sylvia Plath - Nos poucos anos em que viveu (ela nasceu em Boston, em 1932, e se suicidou em 1963), Sylvia Plath teve uma produção literária ímpar. Ela começou a escrever diários aos onze anos e manteve a prática até a morte, aos trinta. Estes diários compreendem os registros de sua vida adulta, a partir de 1950, ano em que se preparava para deixar a casa da mãe em Wellesley para ir à faculdade em Northampton, Massachusetts, até 1962, quando exercia as profissões de professora e escritora na Nova Inglaterra. Em suas anotações, assim como em qualquer outro diário, Sylvia descreve seu cotidiano, porém não apenas de forma narrativa, mas submetendo suas impressões à genial visão poético-filosófica que lhe é peculiar. Na verdade, o diário lhe serviu como instrumento de treino para sua escrita aguçada e pulsante. Nele, como não havia o medo de errar na dose de sentimentalismo (embora ela reconheça e se critique nas passagens em que parece acentuar seu espírito poético), Sylvia Plath se exercita, ao mesmo tempo que se expõe de forma integral.

Um diário para Jordan - Sargento norte-americano vai para a guerra do Iraque e à noite, depois de arriscadas missões, escreve um diário para o filho que acabou de nascer. O soldado morre e quando a mãe – Dana Canedy, jornalista do The New York Times - recebe o corpo e os pertences do soldado, comove-se com o diário. Escreve uma crônica para seu jornal e o tema explode na Internet. Editoras americanas oferecem adiantamentos milionários para ela escrever sua história e Denzel Washington compra os direitos para fazer um filme. O livro está saindo no Brasil pela Geração Editorial. Uma história de amor e guerra em que, abafadas por explosões e tiros, ressoam, vindas do outro lado do mundo, as palavras ternas de um pai ao seu filho recém-nascido.

 

1 litro de lágrimas - Diário da Garota Aya e Sua Luta Contra Uma Doença Incurável Aya era apenas uma menina quando os primeiro sintomas da doença começaram a aparecer. Em sua inocência Aya às vezes retratava a doença como um vilão que ela devia vencer e resistir, em outras se questionava sobre os motivos de ter sido "escolhida". Mas, mais que um retrato das ideais de Aya, 1 Litro de Lágrimas mostra todas as dores de um portador de necessidades especiais, além da cultura japonesa em seus aspectos mais básicos, o instinto de sobrevivência e o desejo de viver da menina. Uma comovente história de alguém que lutou até o final por cada minuto. Uma verdadeira lição de vida.

O diário de Suzana para Nicolas - Depois de quase um ano juntos, o poeta Matt Harrison acaba de romper com Katie Wilkinson. A jovem editora, que não tinha qualquer dúvida quanto ao amor que os unia, não consegue entender como um relacionamento tão perfeito pôde acabar tão de repente. Mas tudo está prestes a ser explicado. No dia seguinte ao rompimento, Katie encontra um pacote deixado por Matt na porta de sua casa. Dentro dele, um pequeno volume encadernado traz na capa cinco palavras, escritas com uma caligrafia que ela não reconhece: “Diário de Suzana para Nicolas”. Ao folhear aquelas páginas, Katie logo descobre que Suzana é uma jovem médica que, depois de sofrer um infarto, decidiu deixar para trás a correria de Boston e se mudar para um chalé na pacata ilha de Martha’s Vineyard. Foi lá que conheceu Matt. E lá nasceu o filho deles, Nicolas. Por que Matt teria lhe deixado aquele diário? Agora, confusa e sofrendo pelo fim do relacionamento, é nas palavras de outra mulher que Katie buscará as respostas para sua vida. O diário de Suzana para Nicolas é uma história de amor que se constrói ao virar de cada página. Cada revelação é mais uma nuance sobre seus personagens. Cada descoberta é um fio a mais a ligar vidas que o destino entrelaçou.

E aí, vocês gostam desse tipo de livro? Escrevem ou já escreveram um diário?


16 comentários:

  1. Os únicos que eu li foi Suzana para Nicolas e o da princesa. rs *-*
    Quero ler o da Bridget!
    beijos
    apenas-um-vicio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Ca

    ainda não li nenhum, mas quero.

    bjokas tenha um ótimo feriado =)

    ResponderExcluir
  3. Gente do Céu, O Diário de Suzana para Nicholas foi um dos livros que mais me fez chorar na vida, é sensacional!!!!

    Me interessei por 1 Litro de Lágrimas, quero ler.

    Beijo, Van - Blog do Balaio

    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/2013/11/sorteio-de-uma-filmadoracamera.html

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro esses livros de diário, já li o diário de uma princesa, e um que não foi citado de uma menina que estava na Alemanha da segunda guerra mundial. Pra ficar completo o post faltou o diário de Anne Frank, mas isso é birutice da minha cabeça, ótimas indicações . :)
    ( Gostei desse: O diário de Bridget Jones )

    caminhadoemmarte.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabrielly!
      O Diário de Anne Frank é um dos meus livros preferidos e, certamente, um dos mais conhecidos diários que viraram livros. Só não coloquei aqui porque ele já foi citado nessa coluna, justamente quando falei da Segunda Guerra.

      Excluir
  5. Olá Carla

    Nunca tive um diário, mas acho bem interessante este estilo de livro, costumo curtir bastante. Quero ler o livro do James Patterson.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oie Carla
    amo diários, e livros narrados em forma de diário. Desses já li O diário de Suzana para Nicolas, e nossa, é um dos melhores livros que já li na vida.
    Já tive muitos diários, e vivo rindo do que escrevia quando era adolescente rs
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  7. Muito legal o post. Esse tipo de narrativa parece que aproxima mais o leitor do personagem, eu adoro! Fiquei curiosa por O diário para Jordan.
    boa semana
    ;*

    Red Behavior

    ResponderExcluir
  8. Engraçado..
    Fui logo pensando no Diário de Anne Frank, e você explicou, rs.
    O Diário de Suzana para Nicholas é o meu xodó.
    Simplesmente AMO!

    ♥ Beijos, Lu
    http://luizando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Ah eu adoro diários, adoro registrar fatos do meu dia a dia pra ler futuramente. Comecei na adolescência e carrego a mania comigo até hoje.
    E os livros em forma deles me agradam demais.
    Já li O Diário de Suzana para Nicholas, é lindo.

    Até mais.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  10. eu amo diários! *-*
    tenho vários antigos e tals rsrsrsrs
    eu sou doida pra ler O diário da princesa! beijos

    http://www.biancagsnunes.com/

    ResponderExcluir
  11. Antes eu era totalmente ligada em diários, comecei quando li Querido diário otário (senti falta nesse post), mas depois deixei de lado. Tanto que dessa lista só li O diário da princesa e ainda achei muito ruim e maçante.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Li os dois primeiros. O Diário da Bridget é sem igual kkkkkkk adoro!!!!
    http://www.valeuapenaesperar.com/

    ResponderExcluir
  13. Diários, quem nunca teve um né? rs
    Eu dessa listinha só li O Diário de Susana para Nicolas e quase morri no final. É muito triste :/
    Tenho muita vontade de ler O Diário de Bridget Jones também. Acho que muito comum é livros que contenham muitos e-mails também. Tá super atual esse tema :p
    Beijos
    Descobrindolivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Otimo post
    Diario de Suzana para Nicolas é lindo demais <3
    Beijokas, Brubs
    Livros de Cabeceira
    @IWannaRuffles

    ResponderExcluir
  15. Gostei do seu poste, quero muito ler Um Litro de Lagrimas que ainda nem tive coragem de assistir o drama dele por ser muito triste.
    Gostei do seu blog, seguindo ele pelo gfc

    http://momentocrivelli.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo