Falando de... Cartas


Na hora de contar uma história, cada autor escolhe seu jeito e o que se encaixa melhor ao enredo. A troca de cartas entre personagens ou mesmo cartas que são escritas mas nunca enviadas é um recurso bastante utilizado, tanto para narrar os acontecimentos como para acrescentar detalhes à trama. A lista de hoje traz alguns títulos que seguem essa linha.


Carta de amor aos mortos - Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho. Resenha aqui.

Claros sinais de loucura - Você nunca conheceu ninguém como Sarah Nelson. Enquanto a maioria dos amigos adora Harry Potter, ela passa o tempo escrevendo cartas para Atticus Finch, o advogado de O sol é para todos. Coleciona palavras-problema em um diário, tem uma planta como melhor amiga e vive tentando achar em si mesma sinais de que está ficando louca. Não é à toa: a mãe tentou afogá-la e ao irmão quando eles tinham apenas dois anos, e desde então mora em uma instituição psiquiátrica. O pai, professor, tornou-se alcoólatra. Resenha aqui.

A última carta de amor - Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. Novamente em casa, com o marido, ela tenta sem sucesso recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar por “B”, e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas de seu próprio relacionamento.



As vantagens de ser invisível - Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras - são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.

A sorte do agora - Bartholomew Neil passou todos os seus quase 40 anos morando com a mãe. Depois que ela fica doente e morre, ele não faz ideia de como viver sozinho. Wendy, sua conselheira de luto, diz que Bartholomew precisa abandonar o ninho e fazer amigos. Mas como um homem que ficou a vida toda ao lado da mãe pode aprender a voar sozinho? Bartholomew então descobre uma carta de Richard Gere na gaveta de calcinhas da mãe e acredita ter encontrado uma pista de por quê, afinal, em seus últimos dias a mãe o chamava de Richard... Só pode haver alguma conexão cósmica! Convencido de que Richard Gere vai ajudá-lo, Bartholomew começa essa nova vida sozinho escrevendo uma série de cartas altamente íntimas para o ator. De Jung a Dalai Lama, de filosofia a fé, de abdução alienígena a telepatia com gatos, tudo é explorado nessas cartas que não só expõem a alma de Bartholomew, como, acima de tudo, revelam sua tentativa dolorosamente sincera de se integrar à sociedade.

Para todos os garotos que já amei - Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.



Cartas para Julieta - A lenda do casal apaixonado de Shakespeare atrai visitantes a Verona, na Itália, todos os anos. Todos os dias, cartas, que costumam ter como endereço simplesmente 'Julieta, Verona', chegam à cidade. Chegam aos montes, em quase todas as línguas possíveis e imagináveis, escritas por românticos que buscam os conselhos de Julieta. E, surpreendentemente, nenhuma fica sem resposta. 'Cartas para Julieta' conta a história dessas cartas e dos voluntários que vêm escrevendo respostas para elas durante mais de sete décadas. O livro reconstitui a história por trás da peça de Shakespeare e leva o leitor até os monumentos que alimentaram a lenda de Julieta e seu Romeu.

Por isso a gente acabou - Por isso a gente acabou trata, com a comicidade típica do autor, de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa e toda a angústia, tristeza e incerteza que essa vivência pode gerar. Min Green e Ed Slarteron estudam na mesma escola e, depois de apenas algumas semanas de convívio intenso e apaixonado, acabam o namoro. Depois de sofrer muito, Min resolve, como marco da ruptura definitiva, entregar ao garoto uma caixa repleta de objetos significativos para o casal junto com uma carta falando sobre cada um desses objetos e do episódio que ele representou, sempre acrescentando, ao final, uma nova razão para o rompimento. Essa carta é o texto de Por isso a gente acabou, que é, assim, carregado de um tom informal e tragicômico - características da personagem - e traduz com um misto de simplicidade e profundidade a história de uma separação. Imerso neste universo adolescente, o leitor conhecerá a divertida personalidade de Min, uma garota apaixonada por filmes cujo sonho é ser diretora de cinema, e as idas e vindas deste romance, desde o dia em que os dois conversaram pela primeira vez até o instante em que tudo acabou.

P.S. Eu te amo - Gerry e Holly eram namorados de infância e ficariam juntos para sempre, até que o inimaginável acontece e Gerry morre, deixando-a devastada. Conforme seu aniversário de 30 anos se aproxima, Holly descobre um pacote de cartas nas quais Gerry, gentilmente, a guia em sua nova vida sem ele. Com ajuda de seus amigos e de sua família barulhenta e carinhosa, Holly consegue rir, chorar, cantar, dançar e ser mais corajosa do que nunca. Resenha aqui.


*Sinopses retiradas do Skoob.

16 comentários:

  1. Que legal essa ideia de postagem, Carla.
    Eu não li nenhum desses livros e estou louca para ler Claros sinais de loucura. PS Eu te amo vi apenas o filme, o livro eu não li.
    Revelando Sentimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Naty!
      O filme de "P.S. Eu te amo" tem bastante alterações em relação ao livro. Achei o livro mais emocionante, vale a leitura! ;)

      Excluir
  2. Oi, Carla!
    Que post adorável! Tem tantos livros bons <3
    Quero muito ler "Carta de amor aos mortos" e "A sorte do agora" , sendo que este último já está na minha estante :)
    Beijão

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diane!
      Eu só fiquei sabendo mais a respeito de "A sorte do agora" quando pesquisei para fazer o post. Também já quero muito ler!

      Excluir
  3. Oi Carla,

    que post magnífico! Dessa sua lista de livros de carta, eu só li dois:

    A última carta - nossa, que livro emocionante. Acompanhar essa história d anos foi incrível. Como sempre, Jojo me fez desabar em lágrimas no final haha.

    P.S. Eu te amo - da minha queridinha Cecelia Ahern <3. Eu sou apaixonada pela Irlanda e ela foi uma das responsáveis por isso. Eu só li o livro depois de assistir o filme, mesmo assim me emocionei horrores haha.

    Eu estou com uma mega curiosidade para ler "Para todos os garotos que já amei!", já vi tantos blogs falando sobre ele que a minha mão está coçando para comprar, mesmo com uma pilha enorme aqui do meu lado de não lidos (rs).

    beijos
    Psicose da Nina

    ResponderExcluir
  4. Oi Carla,
    Dos livros que vc citou, li apenas Cartas de Amor aos Mortos e acho que fiquei traumatizado. Desde então tenho fugido de romances epistolares.
    Mas ainda pretendo ler Claros Sinais de Loucura.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. "Claros sinais de loucura" é lindo! Leia, sim! ;)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Carla
    Adorei o post! Eu nem acredito que ainda nem li nenhum desses livros. Só vi PS eu te amo, mas o filme. Tenho Carta e amor aos mortos em casa e espero ler em breve. Queria muito ler o da Jojo também.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá, Carla! Amei a postagem, muito adorável! Ah, e também amei o blog! Vou vir aqui muitas vezes e fico feliz de ser a septingentésima pessoa a seguir o blog! Sucesso <3

    acabodelerblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Desses já li Carta de Amor Aos Mortos, mas achei a leitura fraca e cansativa, também li Para Todos Garotos Que Já Amei e a leitura foi boa, e li o A Sorte Do Agora que conquistou meu coração.
    Beijo

    www.tecontopoesia.com

    ResponderExcluir
  9. Gosto bastante este tipo de enredo, aliás, li e adorei alguns que você citou como "P.S. eu te amo" e "Para todos os garotos que já amei".
    Adorei seu blog, é minha primeira visita aqui, já estou seguindo!
    Beijinhos,
    Alice
    www.wonderbooksdaalice.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Carla! Estes livros de cartas são realmente os mais lindos do mundo <3 Todas as histórias são emocionantes! :)) E não vejo a hora de ler o Por isso a gente acabou <3 Já encomendei, tomara que chegue logo *__*
    Bjs,
    Rebeca

    http://blogpapelpapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Ah nossa, eu não tinha reparado na quantidade de obras feitas por cartas. Que legal essa sua coletânea!!!!

    >> Vida Complicada <<

    ResponderExcluir
  12. Já li Cartas de Amor aos Mortos, Cartas para Julieta, Ps: Eu te Amo, e o meu preferido As Vantagens de Ser Invisível. Amei todos, esse da Jojo Moyes está na minha lista :D
    Beijos
    www.garotaestelar.com.br

    ResponderExcluir
  13. Quero muito ler "Cartas de amor aos mortos", mas gostei de todas as indicações! :)
    Beijos!

    lesobrinho.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. "Por isso a gente acabou" foi um livro muito divertido, eu me surpreendi com livro, esperava algo e foi totalmente diferente, mas eu amei! Senti falta de dois livros aqui "Querida Sue", um livro lindo de época, todo escrito em forma de carta, recomendo e o meu favorito na vida que também é da autora Cecelia Ahem "Onde terminam os arco iris", vulgo "Simplesmente acontece", eu li esse livro em um momento que eu precisava e deve ser por isso que amo tanto, mas só pelo fato de ser escrito em cartas e mensagens, vale muito a pena!

    Beijos
    Dani Cruz
    blog-emcomum.blogspot.com.br
    Twitter - @blogemcomum / Insta - @blogemcomum / Fanpage Em Comum

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo