Virou filme: Vertigo (Um corpo que cai) - Boileau - Narcejac

Sinopse: Encarregado por um antigo colega de seguir sua jovem e bela mulher, o detetive Flavières logo se vê perdidamente apaixonado pela moça. Essa impropriedade não o impede de investigar os temores de seu amigo Gévigne a respeito da esposa: suas ausências, seus mistérios, uma melancolia que a leva a olhar para as águas do Sena por horas a fio… Nenhum amante, nenhuma simulação, nenhuma doença. Apenas uma estranha relação com a bisavó, morta em circunstâncias terríveis e a quem a jovem Madeleine não chegou a conhecer… Um clássico de Pierre Boileau e Thomas Narcejac, especialistas na arte de conduzir a trama – e o leitor – até onde menos se espera. Este instigante e sinistro roman noir foi adaptado por Alec Coppel e Samuel A. Taylor e filmado por Alfred Hitchcock em 1958. Um corpo que cai é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Já comentei aqui no blog que sou fã de filmes clássicos. E se Audrey Hepburn é minha atriz preferida, Alfred Hitchcock, por sua vez, figura na minha lista de diretores mais admirados. Imaginem então a minha alegria quando me deparei com o lançamento da Coleção Hitchcock pela Editora Vestígio! Entre os dois títulos disponíveis (o outro é A dama oculta) optei por ler primeiro Vertigo, livro que deu origem ao filme que é considerado a obra-prima do diretor.

Após um acidente no trabalho, Roger Flavière  deixa para trás a carreira de policial. Durante uma perseguição que termina em um telhado, é impedido por sua vertigem de seguir atrás do criminoso. Seu companheiro se encarrega de tentar capturar o fugitivo, mas acaba caindo e morrendo. O acidente deixou marcas no ex-policial, que agora segue carreira como advogado. O chamado de um antigo amigo, porém, faz com que volte a usar suas habilidades de detetive.

Gévigne está preocupado com o comportamento estranho de sua esposa Madeleine, com quem está casado há cerca de quatro anos. Silêncios, ausências, momentos de contemplação das águas de um lago... O intrigante comportamento da esposa já foi avaliado por médicos, mas nada foi dado como diagnóstico. Há ainda algo mais estranho: a jovem, segundo o marido, contempla objetos que eram de sua bisavó Pauline, que se suicidou muito tempo antes de Madeleine nascer, com ar de nostalgia. Ele se pergunta quem é, de fato, a mulher que vive em sua casa. Em busca de uma opinião e de uma solução para o mistério, pede que Flavière siga sua esposa. O amigo exita, mas acaba aceitando.

Foram muitas as tardes seguindo os passos de Madeleine. Nenhum amante, nenhuma atitude suspeita, apenas mais e mais elementos ligando a moça à sua desconhecida bisavó. Madeleine costumava fazer visitas ao cemitério e ao rio Sena, e passar tardes em um hotel. Tudo de forma quase automática, como se algo a guiasse até esses locais. Junto com o desejo cada vez maior de descobrir o que se passa, nasce também em Flavière uma paixão pela esposa de seu amigo.

Vertigo (um corpo que cai) é uma mistura de romance policial e thriller psicológico, com mais ênfase neste último. Apesar de ser escrito em terceira pessoa, o livro traz os pensamentos e indagações de Flavière em meio a narrativa. Vemos como pouco a pouco a paixão se tornou obsessiva, principalmente na segunda parte da trama, definindo o rumo dos acontecimentos. 

A construção dos personagens é ótima, toda a perturbação de Flavière fica evidente no texto, assim como o jeito aéreo de Madeleine de quem não sabe bem o que está se passando em sua própria vida. Grande parte dos cenários do livro dão um ar sombrio e melancólico à história, bem típico dos suspenses psicológicos antigos.

O ritmo da narrativa não é acelerado, não espere momentos de grande ação. Os fatos são descritos de forma mais lenta, como que acompanhando o vagar despreocupado de Madeleine. A leitura é instigante e nos faz criar diferentes teorias, já que ao longo de quase todas as páginas estamos na mesma posição do ex-policial, a de nada saber. A cada novo detalhe apresentado, nos perguntamos o que aquilo pode significar. Os autores levam o leitor para diferentes caminhos, mas apenas no fim a verdade é revelada. E ela é surpreendente. 

A edição merece ser comentada: capa dura, folhas amareladas e nenhum erro de revisão. Um exemplar que vale ler e ter na estante.


O livro foi escrito em 1954 especialmente para Hitchcock, depois dos autores ficarem sabendo que o diretor tinha tentado, sem sucesso, adquirir os direitos de adaptação de um outro livro deles. Então, em 1958 Vertigo chegou às telonas. Em 2012 foi considerado o melhor filme de todos os tempos pela tradicional revista Sight & Sound, desbancando Cidadão Kane, que ocupou o topo da lista durante 50 anos.

Estrelado por Kim Novak James Stewart, o filme é ambientado nos Estados Unidos, e não na França como é o livro. Os personagens também ganharam novos nomes: ela passou a ser Madeleine Elster (ao invés de Madeleine Gávigne) e ele John "ScottieFerguson (ao invés de Roger Flavière).

A explicação para o mistério envolvendo o comportamento de Madeleine é a mesma dada pelo livro. Mas na adaptação o expectador e o detetive fazem a descoberta em momentos distintos, e o que acontece a partir daí gera um novo desfecho, dando ao filme uma reviravolta a mais em relação ao livro. 






*Livro cedido pela editora.

16 comentários:

  1. Oie, Carlinha!! Tudo bem? Tenho uma amiga que fez faculdade de cinema e vivia me chamando para assistir a vários filmes com ela. Ela me deu praticamente uma aula sobre Vertigo e sobre a genialidade do Hitchcok, as técnicas que ele usava, os efeitos. Passei a ver o filme com outros olhos e a entender porque ele é tão aclamado. Eu não sabia que era baseado em um livro e fiquei apaixonada por essa edição!! Fui catar umas fotos no Google e tá linda! Capa dura é outro nível Fora que quero saber qual o desfecho dado pelos autores no livro. Bjks!!

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o filme ou livro, mas posso dizer que amei e fiquei muito curiosa para ver
    beijos
    http://lolamantovani.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro Alfred Hitchcock! Não sabia que tinha esse livro, mas já ouvi falar do filme. Fiquei bem interessada, vou pegar o filme pra ver qualquer dia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi Carla,
    Acredita que eu não conhecia?
    Parece um clássico mesmo, ainda mais escrito para Hitchcock... Fiquei bem interessada, vou procurar para assistir.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Carla!!! Que legal vc encontrar o livro, o filme já ouvi falarem super bem e poxa desbancar Cidadão Kane, que é um filme que eu adoro! Vou ter que assistir! rsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Oi Carla!
    Eu também sou super fã do Hitchcock e "Um Corpo que Cai" é justamente o meu filme favorito dele. Então nem preciso dizer o quão louca eu fiquei quando soube que a Vestígio estava lançando essa coleção , né? Ainda mais começando por esse livro que eu nem tinha mais esperanças de conseguir em português.
    Confesso que não li a resenha na íntegra porque não quero saber muito sobre o livro, mas estou ansiosissima para conferir e fiquei super curiosa para saber qual é o desfecho, já que você falou que é diferente do do filme.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, Carlinha

    Excelente texto. Gostei de você ter feito esse cruzamento do livro com o filme. Acredita que nunca assisti nada do Hitchcock?
    Na verdade eu tenho sérios problemas com clássicos, pois a lentidão deles me incomoda. Por isso admiro com curte!
    Agora estou curiosa para saber o mistério de Madeleine!!


    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, Carla!
    Confesso que do Hitchcock, eu só conhecia Psicose. Shame on me hahahhahah
    Achei bem legal como você cruzou o livro com o filme.
    Não prometo ler o livro, mas vou tentar assistir ao filme.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de aniversário do blog Crônica sem Eira

    ResponderExcluir
  9. Oi Carla! Neste caso eu tenho mais interesse em ver o filme, mas não descarto de maneira alguma a leitura no futuro. Tenho muita curiosidade sobre a trama e seus comentários só me deixaram mais ansiosa para ver.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  10. Olá, Carla.
    Nunca assisti nada do diretor acredita? hehe. Mas adoro um bom livro policial com um thriller psicológico. Só fiquei na duvida por causa das partes mais paradas, mas acho que gostaria mesmo assim. A edição da editora está muito bonita mesmo.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  11. Oie...
    Adorei o post!
    Não estou muito acostumada a assistir filmes clássicos, o mais próximo que cheguei deles foi alguns dos Charles Chaplin, do qual gostei bastante.
    O livro em questão parece ser muito interessante e a edição parece estar realmente linda.

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Eu só conhecia o poster do filme, porque o utilizei num dos trabalhos da faculdade, mas nunca o assisti. Fiquei curiosa agora que descobri que tem livro, quero ler e depois ver o filme.

    Beijos!
    Vestindo o Tédio

    ResponderExcluir
  13. Oi Carla!
    Aah queria muito ver o filme e ler o livro!
    É um clássico que preciso conhecer.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  14. Oiiii, tudo bem? Eu não conhecia o livro e nem o filme :P
    Mas gostei de conhecer. Gosto de histórias com esse suspense todo. Acho que eu poderia curtir essa obra.
    Fiquei curiosa com todo o mistério dessa mulher.
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Parece meu tipo de livro, adorei sua resenha, ficou ótima. Vou dar uma olhada nessa coleção (nos preços né haha). Essa capa está linda!!! Depois assisto ao filme, junto com Psicose, que já li mas não vi.

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo