Resenha: Depois Daquela Montanha - Charles Martin

Sinopse: O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo. Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida. Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada. Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado? À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas.

"Então como se faz para viver?"

Ben Payne se faz essa pergunta desde o momento em que decide voltar para casa. O que não esperava era que uma nevasca impedisse que ele voltasse logo para sua amada esposa, Rachel. Todos os voos atrasados. Aeroporto de Salty Lake City  lotado.  Mais um dia ali. Médico cuidadoso, resolve então esperar revendo fichas de pacientes, quando é interpelado por uma garota nada comum: Ashley Knox. Ao dividir a tomada para o laptop, ambos não imaginavam que iriam dividir muito mais coisas e não em comum de maneira inesperada.

Ashley, noiva, escritora de uma revista feminina, empolgada com seu noivado e preparando seu casamento, deixa o Dr. Ben Payne saudoso e com lembranças mais que especiais de Rachel. Bem, voos cancelados (evitando um spoiller por aqui), eles decidem ir para um hotel. Despedem-se. 

Ben muda de idéia e freta um avião pequeno que o leve até a cidade mais próxima como Denver e de lá um voo para Atlanta. Encontra o Charter de Grover, que normalmente era fretado para caças em locais remotos. Ben convence Grover a leva-lo antes da chegada da tempestade. Lembra de Ashley e seu casamento próximo e a procura e também a convence a ir no voo.

Ambos apenas não contavam com um  ataque cardíaco fulminante do piloto, que ainda consegue pousar o avião em local inóspito. E aqui começa a nossa aventura que posso dizer é bem emocionante e repleta de suspense.
"Quando o pior é uma possibilidade, é bom mante-lo em perspectiva. Sem que a gente se esconda dele.Sem fugir."
Ben bem machucado e Ashley com sua perna fraturada em mal estado, longe de atendimento médico, residências ou até mesmo uma cabana, começam a dividir o espaço interno de um pequeno avião, juntamente com o cão de Grover, do qual não se lembram o nome e batizam de Napoleão.

Como excelente médico Ben, cuida da maneira que pode dos machucados de Ashley. 28 dias presos no alto de uma montanha. 28 dias ao lado de uma completa estranha e vice versa. O que nós leitores faríamos? Como reagiríamos? Graças ao bom humor de Ashley e o pequeno realismo otimista de Ben, eles travam além da batalha da sobrevivência , uma guerra de pensamentos em suas próprias vidas.
"Quando se parte o coração.... ele não volta simplesmente a crescer. Não é uma cauda de lagartixa. ... Os corações estilhaçados não se emendam nem saram."
Enquanto batalhava com seu coração que sentia por ter deixado Rachel chateada, e sem ter como avisa-la, Ben não se conformava. Ele a amava e muito, a respeitava e a considerava em todos os aspectos. Para aliviar suas dores ele contava com um gravador dado pela sua esposa. Motivo? As horas ausentes dos plantões eram compensadas pelos relatos de ambos, com seu cotidiano. Dois dias com Rachel, dois com Ben. Mas ali era ele com ele mesmo.

Em Ashley encontra uma mulher forte, que o faz não desistir de encontrar comida, mesmo que pouca. E nem de usar seus conhecimentos de montanhismo para os tirar dali. A garota forte o ajuda a repensar em suas atitudes e Ben com seu cavalheirismo e atitude respeitosa a faz pensar se ainda existem homens assim como ele. Homens que realmente se importam com sua companheira e não apenas em sustentá-la ou provê-la de qualquer maneira.

Ambos se encontram naqueles momentos dramáticos de vida ou morte. Ambos se ajudam em vários aspectos, tantos em cuidados médicos como mentais. Digo mental porque se fossem desconhecidos com nada de gratitude e nada de boa comunicação, já estariam se engalfinhando neve afora.
"Já fui magoada, acho que todas fomos, e acho que, em algum ponto dessa dor, nós nos convencemos de que, se não baixarmos a guarda e não voltarmos a amar, não teremos que sofre de novo."
Com um final surpreendente, emocionante, maravilhoso, sem palavras, literalmente, pois senão contarei a história (rsrs), esse livro nos ensina superar a dor e também a tomar decisões que remetem somente a nós próprios. E para provar deixo a vocês um pensamento de Ben:
"Talvez juntar os pedaços seja contínuo.Talvez a cola demore a secar. [...] Talvez a distância seja diferente para cada um de nós. Talvez o amor seja maior que a minha confusão."
Sem traições, sem maldades e um lindo romance de ambos os personagens, só tenho a dizer que quero muito que 2017 chegue. Pois com ele chegará o filme referente ao livro e de mesmo nome. Depois Daquela Montanha chegará às telas de cinema em 2017, com Kate Winslet (de Titanic) e Idris Elba (de Mandela) escalados para os papéis principais de uma história que vai reafirmar sua crença na vida e no poder do amor.

Leiam. É lindo. Pena eu não gostar de spoiler, caso contrário a história estaria toda aqui. Mas não teriam o suspense de cada página certo ?!

*Exemplar cedido pela editora.


6 comentários:

  1. Oi Renata, tudo bem?

    Um romance sem traição, sem maldade, parece ser lindo! E ainda mais com um final que surpreende, adoro! Quero tentar ler antes de sair a adaptação!

    Adorei a resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi, Renata!
    Esse livro tem cara de que rasga tua alma. E ainda mais com um final surpreendente. Não faz muito meu estilo, mas quem sabe um dia eu leia.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário
    Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias
    Participe do Sorteio de Final de Ano

    ResponderExcluir
  3. Amo historias assim e já anotei esse livro, fiquei com uma imensa vontade de ler.
    Amei a resenha.
    Feliz 2017! 💫
    Beijinhooos. ❤
    www.amordeluaazul.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Renata!
    Esse livro parece ser muito emocionante. Daqueles que fisga sua atenção do início ao fim com muito drama e suspense.
    Adorei a resenha e vou ficar de olho em mais resenhas! :)
    Beijos,

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, Renata!
    Eu li essa lindeza e posso dizer o mesmo que você: vem logo 2017 para eu ver o filme!
    <3
    Achei lindo o fato de que não há mesmo maldade, traições, nada.
    Foi tão doce e tenso e angustiante.
    Uma leitura que amei!

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Renata,

    Eu tô louca pra ler o livro por causa das resenhas que tenho lido sobre ele. Não conhecia a sinopse e dai todo mundo leu e amou e a minha curiosidade só aumenta. Quero ler o mais rápido possível e já está na minha lista de desejados. :)

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo