Virou filme: Menina má - William March

Sinopse:  Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também.

Crianças são seres puros, bons, inocentes e incapazes de maldades. Será? Se você concorda com a frase, certamente ainda não conheceu Rhoda Penmark ou é um dos que se deixam enganar pelo jeitinho doce da menina. Aos oito anos, Rhoda encanta vizinhos e professoras com seus bons modos e seu sorriso com covinha.

Apesar do sucesso que faz com os adultos, a menina não tem amigos da mesma idade, o que chama a atenção de sua mãe. Christine Penmark também se espanta com a maturidade e independência da filha, que arruma o quarto impecavelmente sem que seja preciso pedir-lhe que o faça e trança os próprios cabelos com perfeição. O pai trabalha em outra cidade, mas quando está por perto derrete-se facilmente com um abraço de Rhoda. Monica Breedlove, vizinha e presença constante no apartamento da família, tem quase adoração pela menina. O único que desde o início não se deixa levar por sorrisos e mesuras é Leroy, zelador do prédio. Mas apesar das constantes provocações e implicâncias, nem mesmo ele imaginava o que viria pela frente.

Todo ano, a escola em que Rhoda estuda oferece a um aluno um prêmio de caligrafia. Apesar de todo o seu esforço, ela não foi a vencedora. A medalha que tanto desejava foi dada a Claude Daigle, e Rhoda não esconde de ninguém sua frustração e a convicção de que a medalha deveria ser sua. No dia seguinte, em um piquenique organizado pela escola, o menino morre afogado. Apesar de ter sido a última pessoa a ser vista com ele antes do afogamento, a garotinha afirma não saber de nada.

Ao saber que a filha presenciou a tentativa de resgate e a retirada do corpo da água, Christine fica preocupada com a menina. Mas, para sua surpresa, Rhoda demonstra nada sentir e fala sobre o ocorrido com naturalidade, distância e indiferença. A partir daí, uma luz de alerta passa a estar constantemente acesa na mente da mãe. Ela olha desconfiada para as atitudes da filha e relembra situações vividas na cidade em que moravam anteriormente. A cada vez que se permite reparar com mais cuidado, enxerga coisas que nenhuma mãe gostaria de enxergar em um filho. Será que está vendo demais? As peças que vai juntando fazem com que fique cada vez mais apavorada. E as coisas que descobre a respeito do próprio passado trazem junto culpa e uma série de questionamentos acerca da gênese da maldade.

Narrado em terceira pessoa, o livro nos deixa na mesma posição de Christine. Assim como ela, não sabemos o que aconteceu no piquenique. Vemos a frieza de Rhoda e os seus gestos meticulosamente pensados, mas eles não bastam para que a mãe e nós a declaremos culpada. Tomar conhecimento de novos elementos junto com Christine deixa a experiência de leitura ainda mais angustiante e o desvelamento da personalidade de Rhoda mais verdadeiro.

Com o marido ausente e sem poder conversar sobre o assunto com qualquer outra pessoa, a Sra. Penmark já nem consegue dormir direito. Seus pensamentos são intensamente e cuidadosamente divididos com o leitor e é possível perceber seu desespero através de cada um deles. William March deixa Rhoda em segundo plano para explorar todo o sofrimento vivido pela mãe, o esforço que faz para manter as aparências e a impotência que sente diante dos fatos. O foco na mãe faz com que os pensamentos da filha continuem ocultos para nós, como se a distância que mantém das outras pessoas existisse também entre ela e o leitor. 

Ao abordar a psicopatia, inclusive a infantil, Menina Má choca o leitor sem que seja necessário o uso de descrições de cenas sangrentas e coisas do tipo. Culpada ou não, a forma quase inocente de Rhoda lidar com os fatos, a calma com a qual fala sobre acontecimentos horríveis para qualquer criança e a ausência de qualquer sentimento de empatia bastam.

William March criou uma história que causa impacto mesmo nos dias de hoje. É perturbador só pensar na possibilidade de uma criança tão pequena causar tanto mal a alguém. O enredo chega ao clímax quando Christine se vê em uma encruzilhada. A solução encontrada por ela foi surpreendente para mim.


O livro ganhou uma adaptação cinematográfica em 1956, que por aqui levou o nome de Tara Maldita. O filme recebeu quatro indicações ao Oscar, uma delas de melhor atriz coadjuvante para Patty McCormack, que interpretou Rhoda. Indicação merecidíssma, aliás, pois ela conseguiu traduzir em gestos, olhares e acessos de raiva toda a personalidade da menina má Rhoda Penmark.

Antes de ir para as telonas, a história de William March foi contada também na Broadway e parte do elenco da peça foi escalada para o filme. Mantendo certo aspecto teatral, as cenas da adaptação se passam quase todas na sala do apartamento da família Penmark. É lá que os personagens se encontram, que os diálogos acontecem e que a maioria dos fatos se desenrola. 

Já vi outros filmes que se passavam basicamente em apenas um cômodo, com um resultado excelente (Janela indiscreta; Disque M para matar), mas aqui eu senti que não foi o suficiente. Com a limitação do ambiente, situações importantes da história são contadas por um personagem para o outro. Fica tudo muito descritivo, quando o realmente bacana de uma adaptação é justamente ver as cenas escritas no livro acontecerem.

Não foram feitas grandes mudanças no desenvolvimento do enredo, muitas falas são idênticas às do livro, mas dois personagens ganharam mais destaque. Na versão escrita, Christine lida com sua angústia sozinha. Sabemos de seu sofrimento através dos seus pensamentos e das cartas que escrevia para o marido e nunca enviava. Na adaptação, um dos dois personagens mencionados passa a ser seu interlocutor, além de ter papel fundamental nas descobertas sobre seu passado.

A grande mudança apresentada pelo filme foi em relação ao final, que parecia ser o mesmo até começarem novas cenas. A alteração ocorreu devido ao Código Hays, sobre o qual eu não vou entrar em detalhes para não dar indicações dos desfechos do livro e do filme. Basta dizer que deixou tudo menos impactante...

Uma história que assusta não por ter aparições, criaturas de outro mundo ou coisas do tipo, mas por mostrar a maldade que pode estar em qualquer pessoa. 



35 comentários:

  1. O livro parece ser muito intenso! Já ouvi falar, mas confesso que não sabia o que se tratava! Agora que sei, estou louca para ler! Um beijo!
    Sonho Inverossímil

    ResponderExcluir
  2. Oie, Carlinha! Confesso que crianças psicopatas me assustam. Quando pequena, morria de medo daquele menino do filme O Anjo Malvado. kkkkkkkkk! Mas o tema me interessa. Acho essa capa lindona e já quero conhecer a Rhoda. Gostei disso que vc falou sobre a distância entre ela e o leitor ser mantida pela forma de narrar, sem o foco nela e nos pensamentos dela. Aliás, sempre gosto dessas análises que vc faz que vão além do texto em si. Bjks!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carla!
    Morro de medo de crianças psicopatas. E essa guria bem aí nas fotos me deixou com mais medo ainda
    Beijos
    Balaio de Babados
    Promoção Quatro Anos de Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  4. Oi! Definitivamente não leria esse livro kkkkk morro de medo. Bjos ♥️

    Click Literário 

    ResponderExcluir
  5. Ja tinha ouvido falar desse livro, e cada vez so fico mais curiosa e curiosa sobre a trama. Vou dar uma chance pra ele e ver o filme.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Carla,
    Só de ver sua resenha já me deu arrepios...rsrsrs
    O livro tem uma premissa bem interessante...más confesso que não sei se leria algo assim.
    Morro de medo!
    Agora o filme acho que veria sim...com uns 10 ao meu lado e de dia haha.

    Beijinhos, Ana

    💞Mundo dos Sonhos

    ResponderExcluir
  7. Olá! Achei bacana que na narração ficamos com a mesma visão que a mãe e não sabemos culpar ou não a garota, é uma situação complicada de se estar. Já li bons comentários da adaptação cinematográfica e para ganhar quatro indicações ao Oscar realmente deve ser bom. Parece ser bem interessante, anotei a dica do filme e do livro. Beijos'

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Quero muito ler esse livro, pois ele parece ser muito bom... Agora quero assistir ao filme também!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  9. Oi Carla, tudo bem?
    Já tinha visto resenhas desse livro antes, mas a sua foi a que me deixou mais curiosa! Adorei a temática e a tensão que você descreveu, parece um livro extremamente instigante.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  10. Estou morrendo de vontade de ler o livro, sua resenha fez com que eu também criasse um interesse para ver o filme.
    Obrigado pela indicação.

    ResponderExcluir
  11. oi Carla!

    esse livro faz sucesso entre as capas mais tops da Darkside ( que para mim só tem capas perfeitas mas enfim kk). eu confesso que não sou muito fã das obras porque elas giram em torno do terror, suspense, e isso acaba comigo kkkk eu MORRO DE MEDO. os únicos que tenho da editora é The Kiss Of Deception e The Heart Of The Betrayal.
    conforme você foi expondo mais sobre a obra mil perguntas surgiram na minha cabeça ( acho que o mesmo deve ter acontecido com você enquanto lia certo?). mesmo não sendo meu gênero eu vou dar uma chance. o enredo parece ser eletrizante, e fiquei tão curiosa sobre esse final, essa solução que a mãe de Christine encontrou para resolver esse problema. você conseguiu me convencer.
    se eu ficar sem dormir uma semana a culpa é sua!!! kkkkk

    ResponderExcluir
  12. Oi Carla!! Eu ainda não li, mas tenho uma amiga que amou o livro. parece ser forte, tenso, uma história no mínimo intrigante. Não tinha ideia que já tinha uma adaptação, gostei de saber!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  13. Darkside tem se mostrado uma das melhores editoras do país! É cada publicação e as edições são muito bem feitas. Já li esse livro e adorei, ainda não assisti o filme

    ResponderExcluir
  14. Oi Carla! Li esse livro e fiquei pasma com as maldades de Rhoda! O autor criou uma trama sem muitos exageros mas.que consegue causar espanto como voce mesma disse! Ainda não vi o filme, mas.espero ter oportunidade de assistir
    Beijinho
    eventualobradeficcao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. eu ainda não li esse livro mas morro de curiosidade. Não é um gênero que eu leia com frequência mas tenho certeza que a leitura vai ser muito interessante e que eu vou gostar. Achei bem legal conferir sua opinião sobre a obra.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Carla!
    Fico bastante curiosa para conhecer essa história, e não sabia que possuía um filme, parece ser um livro surpreendente, e desesperador. Que criança é essa, kkk
    Parabéns pela resenha!

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Quero muito realizar a leitura do livro e já conhecia essa adaptação dele, porem não havia conseguido tantas informações em relação a mesma e fiquei bastante feliz de poder saber mais em relação ao mesmo aqui no blog. <3
    Espero adquirir o livro esse ano e trocemos para que seja feita uma nova adaptação bastante fiel a obra e que explore mais lugares para contar a história e não apenas a casa da personagem principal.

    Beijinhos e até logo! :*

    ResponderExcluir
  18. Quero muito ler esse livro! amei de paixão a capa! Não sabia que tinha filme.

    ResponderExcluir
  19. Oi! Menina, estou louca para ler essa obra. Desde que vi o lançamento e fiquei sabendo que falava sobre psicopatia infantil me interessei porque esse é um assunto que me encanta muito. Quero ter o livro em mãos antes de ler qualquer coisa a respeito do livro.
    Beijo! Leitora Encantada
    Promoção 4 anos de blog Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bem?
    Eu já li algumas resenhas sobre esse livro e inclusive, pretendo adquiri-lo em breve - pelo menos espero. A história parece ser do jeito que eu gosto, bem misteriosa. Fora que a capa e a edição são lindas <3

    Beijos.

    ResponderExcluir
  21. Oláá! tudo bem?
    nossa, sou louca para ler esse livro!! mas não sabia que já teve filme :O
    eu me interesso muito por esse tema! e essa questão dela ser apenas uma criança.. deve ser muito impactante!
    seu blog é muito lindo! estou adorando os posts!
    seguindo aqui já para poder acompanhar!
    beeijo

    http://lecaferouge.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Eu estou muito a fim de ler o livro, mas tô tentando achar o filme primeiro. Deveria ter uma nova adaptação, com o mesmo clima. A resenha me deixou mais curiosa, mas acho que você contou um pouco demais :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Grazi! Pena que tenha ficado com essa impressão. Reli e não achei nenhum spoiler. Acredite: o livro vai muito, muito além do que foi falado na resenha.

      Excluir
  23. OOi!
    A premissa do livro chama muito minha atenção, e sua resenha está ótimaa, chegou até me deixar curiosa e com uma pequena vontade de lê-lo. Porém, sou muuuito medrosa. Não arriscaria. kkk
    Beijoos!

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem? Já tenho escutado muitos elogios a esse livro e acho a capa dele sensacional. Mas, confesso que não me interesso muito em ler. Sou muito medrosa e a perspectiva de ler algo que aborda a psicopatia, ainda mais em um personagem tão jovem, me assusta um pouco.
    De qualquer forma adorei a resenha e o modo como você falou sobre o livro. Se eu fosse mais corajosa, provavelmente iria ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  25. Olá amore,
    Primeiro, passando pra elogiar seu blog, que mimo, parabéns pelo capricho.
    Quanto a esse livro, estou mega curiosa pra ler, mais está um cadinho caro... mas em breve pretendo adquirir.
    Adorei sua resenha e gostei de saber que o livro traz o fato da maldade estar dentro de qualquer um de nós... é necessário para tanto que sigamos o caminho certo.
    Parabéns pela resenha!
    Beijokas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Grazi! Tudo aqui é feito com muito carinho.
      Espero que você consiga comprar e ler o livro em breve! ;)

      Excluir
  26. Oooie...
    Adorei sua resenha!
    Sempre leio excelentes comentários sobre essa obra, mas, definitivamente não tenho interesse em ler pelo fato de trazer esse lado mais de terror, sombrio. Mas, achei curioso que ainda não sabia que esse livro tinha sido adaptado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Nooossa! Fique super impressionada. Quero muito ler essa história. Amei sua resenha de verdade! Parabéns!

    ResponderExcluir
  28. Olá!
    Acredito que esse livro nos choca porque nunca pensamos na criança como um ser capaz de matar, sempre a vendo de maneira inocente. Acho que esse livro é simplesmente genial por abordar esse assunto e tenho muita vontade de poder conferir essa história também.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Olá, tudo bem? Apesar da edição linda da Darkside, que sempre arrasa, confesso que eu não leria esse livro por causa do tema psicopatia. Tudo que remete a thriller e terror, especialidade da editora, me faz correr de medo, por isso nunca li nada. E não tenho pretensão de um dia começar haha Adorei a sua resenha, mas por esses motivos passo a leitura.
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  30. Pela sinopse o livro não faz parte da minha leitura cotidiana, a resenha ficou legal, mas não me aproxima do livro, parece um tanto macabro

    ResponderExcluir
  31. Olá Carla,

    As resenha que li desse livro foram sempre positivas e a sua não foi diferente, acho que vou dar uma chance no futuro,excelente resenha....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  32. Olá!
    Eu vi a imagem lá no Instagram e vim conferir a resenha rs
    Adorei saber sua opinião e não difere da minha. Achei bem interessante pois a palavra psicopata ainda nem existia na literatura médica e o autor conseguiu passa exatamente de como é hoje descrita e ainda tanto no filme como no livro levanta a questão da genética e/ou criação. O final achei a do filme mais esclarecedora. Foi uma leitura que me intrigou pq o escritor faz muita referência de sua própria vida o que me leva a pensar que ele próprio sofria de algum transtorno rs. Eu amei e é um clássico com certeza! E sua resenha esta massa, adorei conferir!
    Bjs

    ResponderExcluir
  33. Oie!!
    Nossa deixa eu te falar.. pensa em uma pessoa medrosa... pensou? Eu! Por conta disso, não leria esse livro e muito menos assistiria o seu filme hahaha
    Mas gostei do modo que você resenhou. Não sabia que o filme havia sido indicado ao Oscar e nem que antes ele foi adaptado pela Brodway

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Deixe seu comentário, sua opinião é super importante para nós.

© Entre Aspas - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo